quinta-feira, 16 de novembro de 2017

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Taça América reinicia neste fim-de-semana.



Após uma pausa de pouco mais de três meses, a CRFM volta à ativa com a penúltima rodada da primeira fase da Taça América. Neste sábado, duas equipes cariocas vão à mesa:

O Fluminense vai a Buenos Aires defender a liderança da chave "2" do torneio, contra o surpreendente San Lorenzo de Almagro. Surpreendente, pois "El Ciclón" é o lanterna do Campeonato Argentino, correndo grande risco de ser rebaixado.
 Na Taça américa, no entanto, a equipe é a maior ameaça ao Tricolor das Laranjeiras, na segunda posição, apenas um ponto atrás. A equipe, diferente do começo de temporada, está embalada, não só com a boa campanha no continental, mas também, graças à goleada sobre o maior rival, o Huracán, e  à contratação do ponta Garcia, ágil e  perfeito para um time que ataca pelas laterais.

O Flu também apresenta suas "caras novas". Os experientes Jandir, Romerito e Tato, vestem as camisas 5, 7 e 11, respectivamente. Os ponta-esquerda Jerry, será emprestado ao Santa Cruz e Pires, negocia com a Ponte Preta. Julinho ainda não tem destino certo. A equipe parece estar confiante em trazer, mais dois pontos da Argentina.

San Lorenzo
1 - Docabo, 2 - Marchi, 3 - Riquelme, 4 - Villareal, 5 - Bernuncio, 6 - Carrasco, 7 - Ferreyra, 8 - Siviski, 9 - Acosta, 23 - Arbarello, 11 - Garcia.
Fluminense
1- Jéferson; 2 - Zé Teodoro, 3 - Vica, 4 - Mazola, 6 - Lira; 5 - Jandir, 8 - Válber, 7 - Romerito, 11 - Tato; 9- Ézio, 10 - Vágner.


Romerito (7) e Tato (11): novos reforços tricolores.


                      Já o Flamengo, recebe o lanterna da chave e pior competidor do certame: o mexicano América. 
                   
                      O Rubro-negro está numa situação desconfortável na tabela. Tem três pontos e é neste momento, o pior dos três terceiros colocados. Se a primeira fase tivesse terminado, o time carioca teria perdido a vaga para as quartas-de-final para o Internacional/RS, que tem quatro pontos e para o chileno Cobreloa, que tem também três pontos, mas conta com um gol a mais no saldo (1 contra 0 do Fla).

                        A equipe deverá entrar completa em campo. 
                        Já o América, com 0% de aproveitamento e saldo negativo de seis gols,  reformulou sua equipe e ainda acredita num milagre. Mesmo assim, terá de vencer os dois cariocas e ainda torcer pro San Lorenzo atropelar o Flamengo no Maracanã. Fora isso, ainda terá de acompanhar o que acontece nas outras chaves. 

                     O time de Chespirito, aposta num 4-3-3 e no poder de finalização do camaronês Oman Biyik (9).

Equipes prováveis:


Flamengo
1 - Raúl; 7- Ney Dias, 14 - Mozer, 11 - Marinho, 5 - Júnior; 2 - Leandro; 3 -Andrade; 2- Lico, 8 - Adílio, 12 - Tita, 10- Zico; 9 - Nunes. 
Club América
1 -Chávez; 4- Luís F. Pena, 2- Hernández, 6- Lara, 3- Rodón; 5- Naranjo, 8- Del Olmo, 7- Bwalya, 11 - Cuhautemóc Blanco; 10- Luís Roberto, 9- Oman Byik.
Local: Maracanã (Rio de Janeiro).

Para o Mengo, só a vitória interessa.




sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Boca Juniors 1994 - Titular


Hoje na Camisêra, aquela que na minha humilde opinião é a "medalha de prata" das camisas Xeneizes (só perde pra camisa com a marca dos 90 anos, de 1995, bem reproduzida pelo blogue parceiro FSA https://footballshirtart.blogspot.com.br/2017/08/boca-juniors-1995-escudos-para-times-de.html?showComment=1510331794279).

 Nesse ano de 1994, a Olan apostou no resgate do azul mais carregado, que marcou o uniforme do clube até o final dos anos 70. Em 1980, a Adidas trouxe um azul mais claro e "vivo" à malha Azul y Oro

Apesar das belas cores, a camisa ficou marcada de forma negativa: foi com ela que o time argentino sofreu a maior goleada em sua trajetória pela Libertadores de América: 6 a 1 para o Palmeiras, no Parque Antártica e pracabá, um dos 6 gols foi um raro gol do zagueirão Cléber. Martinez, fez o de honra.

Mas como o propósito é histórico, de modo mais abrangente (já que até mesmo os piores momentos de um clube devem ser lembrados com reserva) segue a camisa, justamente com a escalação dessa partida histórica.

Segue a cartela:







quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Novos uniformes da CRFM



Aproveitando a pausa forçada nas atividades da Liga, vamos criando mais alguns desenhos/colagens:
Esses são alguns dos jogadores de clubes sul-americanos que entrarão como avulsos na próxima temporada em seus respectivos clubes. Alguns destes times completos, serão disponibilizados em breve aqui no blogue.

domingo, 5 de novembro de 2017

Racing Club - Titular - 1992






Hoje aqui na Camisêra, é a vez do Racing Club. Nesta temporada, o time de Avellaneda terminou em 7º no Torneo Clausura e em 16º, no Torneo Apertura.
Decidiu a Supercopa Libertadores contra o Cruzeiro de Paulo roberto, Nonato, Boiadeiro e Renato Gaúcho. No jogo de ida em BH, levou um chocolate de 4 a 0 pro clube mineiro. Na volta, em Avellaneda, o Racing Club venceu por apenas 1 a 0, gol de Cláudio Garcia, resultado insuficiente para tirar o caneco da Raposa.[1]
O kit segue a escalação da primeira partida da final da Supercopa Libertadores:

1- Carlos Roa; 4- Jorge Federico Reinoso, 2- Jorge Borelli, 18- Cosme Zaccanti, 3- Juan José Distéfano
5- Gustavo Costas, 8- Gustavo Matosas, 19- Guillermo Guendulain;
10- Rubén Paz, 11- Alfredo Graciani, 07- Cláudio García. [2]


Racing 1992


Referências:
[1] https://pt.wikipedia.org/wiki/Supercopa_Libertadores_1992
[2] https://fichadojogo.wordpress.com/1992/11/18/18111992-cruzeiro-4-x-0-racing/

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Sport Recife - 1988 - Titular


Baseado em duas camisas dum colecionador chamado Luís Eduardo[1]. O vermelho do escudo, mais frio, em relação ao vermelho mais vivo da camisa, acaba parecendo discrepante, mais assim está na camisa. Também optei pelo escudo antigo do clube, tudo em nome da fidelidade.
Segue também uma prévia da terceira camisa do Leão pernambucano, que talvez seja disponibilizada aqui, num futuro próximo:


Avulso: camisa 10 - 1999 - terceiro uniforme


Kit completo: Sport Recife - 1988 - Titular
https://ibb.co/bzmacb



Referências

http://camisasdosport.blogspot.com.br [1]

sábado, 21 de outubro de 2017

Vasco 2000






Eis aqui, um dos poucos equipamentos do final dos anos 90, começo dos anos 2000, que me encantam: Vasco da Gama, ano 2000. Com esse material fornecido pela italiana Kappa, o Gigante da Colina amargou dois vices, no Mundial FIFA, diante do Corinthians e no Estadual do RJ, diante do arquirrival Flamengo. Mas seria naquela temporada que o Vasco ergueria o caneco da confusa e polêmica Copa João Havelange. A grande final contra a sensação São Caetano, no dia 30 de dezembro daquele ano, foi marcada pelo acidente ocasionado pela queda de parte da grade de separação do Estádio São Januário, deixando 168 feridos. A partida foi suspensa e adiada para o dia 18 de janeiro,  no Maracanã. O Vasco bateu o fortíssimo Azulão por 3 a 1 e ficou com o título.[1]

Outra curiosidade disso tudo, ficou por conta da inesperada publicidade do SBT na camisa cruz-maltina (como se pode ver, o sabão em pó Ace é que era o patrocinador-master, na ocasião). O cartola Eurico Miranda, irritado com a Rede Globo, por sua cobertura do acidente na partida do dia 30 de dezembro, usou a marca da emissora rival pra provocar a emissora carioca. O próprio cartola se justificou ao SBT dizendo que aquilo seria uma homenagem do clube à quem não o caluniou. [2]

O Vasco da Gama não ganhou um mango por levar a marca.



Vasco da Gama - 2000 - titular em PNG - https://ibb.co/n1eqFm

Avulsos:

Juninho Pernambucano (camisa reserva) - https://ibb.co/bGvVFm
Romário (SBT) - https://ibb.co/deBsT6

Referências:

[1]https://pt.wikipedia.org/wiki/Copa_João_Havelange
[2]https://uolesportevetv.blogosfera.uol.com.br/2015/08/21/perola-do-bau-vasco-usou-logo-do-sbt-para-provocar-a-globo-em-2000/


sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Fluminense_1986






Aqui, segue disponível o equipamento reserva do Fluminense, de 1986, baseado numa camisa à venda na internet [1]. Apesar de não aparecer a marca nesta camisa reserva, o fornecedor é Penalty. Com esse patrocínio-master da Heartline [1][2], uma obscura empresa de no-breaks e estabilizadores pra computador, o Tricolor das Laranjeiras, disputou alguns jogos do Estadual do Rio de Janeiro, torneio no qual acabou em terceiro na classificação geral, atrás do vice Vasco da Gama e do campeão, Flamengo.

Fluminense 1986: reserva



Fluminense 1986: titular


Referências:
[1] http://rj.olx.com.br/rio-de-janeiro-e-regiao/esportes-e-ginastica/camisa-do-fluminense-1986-heartline-rarissima-398047879

[2]PLACAR, Google Books, Pág. 57. Disponível em <<https://books.google.com.br/books?id=JiRM5YUon-4C&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false>>. Acessado em 13 out. 2017.



sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Toros Neza (1996) - 25mm







Os números de camisa do Toros, fiz baseado nos números que aparecem nos calções deste uniforme em algumas raras fotos. Como faltam referências, trata-se de mais um exercício de imaginação.
O emblemático Toros Neza teve uma trajetória fugaz. Fundado em 1991, como Toros de la UTN (Universidad Tecnológica de Neza), na cidade de Nezahualcoyotl, no Estado do México, como sucessor do Coyotes Neza, que ao conseguir o acesso à elite mexicana em 1989, vendeu sua franquia se tornando o Tiburones Rojos de Veracruz.
O clube se dissolveu em 2015, apenas 14 anos após sua fundação. Fazia com o Deportivo Toluca, o chamado "Clásico Mexiquense" - note que se que o termo "mexiquense", se refere à unidade federativa Estado de México, não ao país.

Clique na imagem:



Referências:

<<https://es.wikipedia.org/wiki/Toros_Neza>> Consultado em 6 out. 2017.


quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Liga Mexicana deverá entrar com força na CRFM






Ainda em construção, a Liga MEX 35mm, promete ser um dos mais importantes campeonatos nacionais da CRFM.
É provável que a liga entre em atividade ainda  esse ano, com seu Apertura, cujo o campeão e vice se qualificarão diretamente para a fase semifinal da Copa Ouro (competição secundária que envolverá clubes das Américas Central e do Norte - até então, Olimpia (Honduras), Deportivo Saprissa (Costa Rica), Chicago Sting (EUA)  ou Vancouver Whitecaps (Canadá) e Tampa Bay Rowdies ou Cosmos de Nova Iorque (EUA).
A edição pioneira do certame, contará com dez equipes - o requisito mínimo para a formação de uma liga nacional são oito - e elas são:

Club América (Ciudad de México)
Atlas (Guadalajara)
Cruz Azul (Ciudad de México)
Deportivo "Chivas" Guadalajara (Guadalajara)
Club León (León)
"Leones Negros" de la Universidad de Guadalajara
Necaxa (Aguascalientes)
Deportivo Toluca (Toluca de Lerdo)
Toros Neza (Nezahuacoyotl)
UNAM/Pumas (Ciudad de México).

O destaque, até o momento, é o América, com uniforme e elenco renovados.

Depois da desastrosa campanha na Taça América (a pior do torneio) - onde os Águias perderam as quatro partidas que disputaram e agora, a duas rodadas do fim, já estão fora da briga - resta investir e pensar no título nacional.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

América/MEX - 1995 - 25mm



Voltando à ativa trazemos hoje, o América da Cidade do México, 1995.

O time base naquela época incluía:
1- Chávez;
2- Hernández, 3- Rodón, 4- Peña, 6- Lara; 
5- Naranjo, 26- Soto, 16- Kalusha Bwalya, 23- Blanco; 
17- Luís Roberto e 9- Oman Biyik. 


sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Grêmio 1982 - Titular & Reserva




Aqui, réplicas dos dois uniformes Olympikus que o Grêmio usou em 1982 (cujo reserva, o time gaúcho passará a usar na CRFM). Neste ano, o Tricolor dos Pampas amargou dois vices, perdendo o Gaúcho pro Internacional e o Brasileiro para o Flamengo. Mas como dito antes, a importância aqui é meramente estética.



Clique acima para o uniforme titular
Clique acima para o uniforme reserva