quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Deportivo Español (1992 - Titular)/ Huracán (1991 - Reserva) + argentinos avulsos

                           

Hoje é dia de Argentina na Camisêra! Hoje, Deportivo Español de Buenos Aires, do ano de 1992, época em que disputou a primeira competição sul-americana, a Conmebol, eliminando o Vélez Sarsfield na primeira fase, mas caindo nos pênaltis diante do Olimpia/PARnas quartas de final[1] . Na edição seguinte, não foi bem, caindo logo na primeira fase, diante doutro paraguaio, o Sportivo Luqueño[2].

O destaque da equipe, era o atacante Parodi, camisa 9.

A outra equipe de hoje "fechada" é o Huracán (1990-91), com seu belo uniforme reserva; Com esse equipamento, "El Globo" terminou o Campeonato Argentino em 9° lugar[3].

Trazemos também, mas três avulsos: Carlitos Tevez no Boca Juniors (2004), Maradona no Argentinos Jrs., clube que o revelou, aqui com a camisa de 1980; e Pochettino, com a 5 do Deportivo Español de 1994, ano em que a equipe adotou literalmente a camisa da Seleção Espanhola!

Huracan - 1991

D. Español de Bs. As. - 1992

Tevez - 2004

Diego Maradona - 1980


Pochettino - 1994
Catalano - D. Español - 1992

Referências:



[1] https://pt.wikipedia.org/wiki/Copa_Conmebol_de_1992
[2] https://es.wikipedia.org/wiki/Copa_Conmebol_1993
[3] https://es.wikipedia.org/wiki/Campeonato_de_Primera_Divisi%C3%B3n_1990-91_(Argentina)

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Ferencváros (1991) - Croatia Zagreb (1998) - Kispést Honvéd (1994/95)






Hoje na Camisêra, na minha humilde opinião, um dos assuntos mais fascinantes do futebol mundial: futebol do Leste Europeu.  Hoje, seguem três uniformes dos anos 90: Ferencváros/HUN, Kispest Honvéd/HUN (identidade usada pelo clube Honvéd de 1991 a 2004)[1], que assim como o Steaua Bucuresti, tem origem militar e o Croatia Zagreb/CRO (nome e marca adotados pelo clube GNK Dínamo de Zagreb de 1993 a 2000, com o intuito de reforçar a identidade nacional croata, pós-independência da F. Iugoslava)[2]

Obs.: na réplica do Ferencváros, utilizei os números da camisa da seleção holandesa de 1988 como parâmetro, uma vez que é idêntica a este modelo.


Ferencváros TC - Hungria - 1991

Kispest Honvéd - 1994/95

Croatia Zagreb - 1998

Referências

[1] https://en.wikipedia.org/wiki/Budapest_Honv%C3%A9d_FC#Kispest_Honvéd_FC
[2] https://en.wikipedia.org/wiki/GNK_Dinamo_Zagreb



segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Avulsos

Temas avulsos de diferentes épocas e clubes.



Marcelinho Carioca - Corinthians (excursão pelo Japão) - 1994

 César Sampaio - Santos - 1987

Gerd Müller - Bayern Muenchen 1979


Ion Vladoiu - Steaua Bucuresti -  2000


Emílio Butragueño - Real Madrid - 1989


sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Santos - amistoso da paz (?) - 1983



Inspirado numa camisa de 1983, que segundo o site que disponibilizou a imagem [1], teria sido usada num "amistoso da Paz". Neste ano, o Peixe enfrentou cinco equipes em amistosos: o América (RJ) o Combinado de Pointe-Noire (Congo), a seleção do Congo, a seleção de Camarões e por fim, o Valência (Espanha)[2]. Difícil é saber em qual destes amistosos, o Santos usou essa camisa.

A camisa chama a atenção pelo interessante logo que carrega, composto pela palavra "PAZ" ao lado de um pomba branca estilizada.

Santos - PAZ - 1983


Referências:

[1] http://www.colesantos.com/hall-da-fama/
imagem: http://files.colesantos.webnode.com.br/200000132-469dc47979/1983%20AB%20Topper%20PAZ.jpg
[2] https://historia-santosfc.blogspot.com.br/2012/04/temporada-1983.html




domingo, 19 de novembro de 2017

Definidas as chaves da II - UEFA Cup


Está quase tudo pronto para o início do continental europeu, a Taça Europa, agora renomeada como UEFA Cup. Definidos os 12 participantes, foram divididos em 3 grupos com 4 competidores.

Todos jogarão em turno e returno, contra os adversários da mesma chave, se classificando, a exemplo do que ocorre na Taça América, os dois primeiros de cada chave, mais o dois do três terceiros colocados (de cada grupo) melhor qualificados no índice técnico, somando, assim, 8 competidores na  segunda fase.

A novidade, é que o Dukla Praha e o Barcelona, acabaram por abandonar a disputa, cedendo suas vagas para Crvena Zvezda (Estrela Vermelha/IUG) e Sabadell, respectivamente.

Eis as distribuição dos competidores:

Na linha do alto, o grupo 1: Roma/ITA, Arsenal/ING, Croatia Zagreb/CRO, Nantes/FRA;
na linha do meio, o grupo 2: Sabadell/CAT, Bayern München/RFA, Benfica/POR, Estrela Vermelha/IUG;
na linha de baixo, o grupo 3: Steaua Bucuresti/ROM, Kispest Honvéd/HUN, Ferencváros/HUN, Panathinaïkos/GRE.

No equilibrado grupo 1, a Roma do veterano Falcão e do jovem Aldair, defensora do título, terá pela frente o Arsenal de Londres, Nantes/FRA e Croatia Zagreb/CRO.

O Croatia assim como o Estrela Vermelha, vem representando a tradição da antiga Federação Iugoslava e é considerado por via de regra, o favorito da chave. A equipe croata, tem um forte meio campo, apesar da saída de Prosinecki, que foi para o rival Estrela Vermelha. Destaque para Jurcic e Maric.

O japonês Miura deve estrear no ataque, já contra o Nantes.

No grupo 2, é o Estrela Vermelha de Prosinecki e Savicevic é quem vem como franco favorito (inclusive, ao título da temporada). De resto, pode se esperar um equilíbrio técnico entre o travesso Sabadell da Catalunha (de Sacristán),  Bayern München (de Gerd Müller) e Benfica (de Caniggia).

No grupo 3, estarão três das maiores camisas e potências europeias da CRFM: Kispest Honvéd e Ferencváros, ambos da tradicional Hungria e o perigoso e "deslizante" Steaua Bucuresti, do preciso Belodedici, e da dupla de área formada por Piturca e o raçudo Lacatus, entre outros. Juntamente com Estrela Vermelha, o grande favorito aos título. Contra os três fortes esquadrões, está o Panathinaikos, atual e único campeão grego, considerado o grande azarão do grupo.


Ainda sem data definida, estes serão os primeiros combates do certame do Velho Continente:

Roma X Arsenal (Stadio Olimpico); Croatia Zagreb X Nantes (Stadion Maksimir); Sabadell X Bayern München (Sarrià);  Benfica X Estrela Vermelha (Estádio da Luz); Steaua Bucuresti X Ferencváros (Stadionul Ghencea); Kispesti Honvéd X Panathinaïkos (Jozséf Bozsik).

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Taça América reinicia neste fim-de-semana.



Após uma pausa de pouco mais de três meses, a CRFM volta à ativa com a penúltima rodada da primeira fase da Taça América. Neste sábado, duas equipes cariocas vão à mesa:

O Fluminense vai a Buenos Aires defender a liderança da chave "2" do torneio, contra o surpreendente San Lorenzo de Almagro. Surpreendente, pois "El Ciclón" é o lanterna do Campeonato Argentino, correndo grande risco de ser rebaixado.
 Na Taça américa, no entanto, a equipe é a maior ameaça ao Tricolor das Laranjeiras, na segunda posição, apenas um ponto atrás. A equipe, diferente do começo de temporada, está embalada, não só com a boa campanha no continental, mas também, graças à goleada sobre o maior rival, o Huracán, e  à contratação do ponta Garcia, ágil e  perfeito para um time que ataca pelas laterais.

O Flu também apresenta suas "caras novas". Os experientes Jandir, Romerito e Tato, vestem as camisas 5, 7 e 11, respectivamente. Os ponta-esquerda Jerry, será emprestado ao Santa Cruz e Pires, negocia com a Ponte Preta. Julinho ainda não tem destino certo. A equipe parece estar confiante em trazer, mais dois pontos da Argentina.

San Lorenzo
1 - Docabo, 2 - Marchi, 3 - Riquelme, 4 - Villareal, 5 - Bernuncio, 6 - Carrasco, 7 - Ferreyra, 8 - Siviski, 9 - Acosta, 23 - Arbarello, 11 - Garcia.
Fluminense
1- Jéferson; 2 - Zé Teodoro, 3 - Vica, 4 - Mazola, 6 - Lira; 5 - Jandir, 8 - Válber, 7 - Romerito, 11 - Tato; 9- Ézio, 10 - Vágner.


Romerito (7) e Tato (11): novos reforços tricolores.


                      Já o Flamengo, recebe o lanterna da chave e pior competidor do certame: o mexicano América. 
                   
                      O Rubro-negro está numa situação desconfortável na tabela. Tem três pontos e é neste momento, o pior dos três terceiros colocados. Se a primeira fase tivesse terminado, o time carioca teria perdido a vaga para as quartas-de-final para o Internacional/RS, que tem quatro pontos e para o chileno Cobreloa, que tem também três pontos, mas conta com um gol a mais no saldo (1 contra 0 do Fla).

                        A equipe deverá entrar completa em campo. 
                        Já o América, com 0% de aproveitamento e saldo negativo de seis gols,  reformulou sua equipe e ainda acredita num milagre. Mesmo assim, terá de vencer os dois cariocas e ainda torcer pro San Lorenzo atropelar o Flamengo no Maracanã. Fora isso, ainda terá de acompanhar o que acontece nas outras chaves. 

                     O time de Chespirito, aposta num 4-3-3 e no poder de finalização do camaronês Oman Biyik (9).

Equipes prováveis:


Flamengo
1 - Raúl; 7- Ney Dias, 14 - Mozer, 11 - Marinho, 5 - Júnior; 2 - Leandro; 3 -Andrade; 2- Lico, 8 - Adílio, 12 - Tita, 10- Zico; 9 - Nunes. 
Club América
1 -Chávez; 4- Luís F. Pena, 2- Hernández, 6- Lara, 3- Rodón; 5- Naranjo, 8- Del Olmo, 7- Bwalya, 11 - Cuhautemóc Blanco; 10- Luís Roberto, 9- Oman Byik.
Local: Maracanã (Rio de Janeiro).

Para o Mengo, só a vitória interessa.




sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Boca Juniors 1994 - Titular


Hoje na Camisêra, aquela que na minha humilde opinião é a "medalha de prata" das camisas Xeneizes (só perde pra camisa com a marca dos 90 anos, de 1995, bem reproduzida pelo blogue parceiro FSA https://footballshirtart.blogspot.com.br/2017/08/boca-juniors-1995-escudos-para-times-de.html?showComment=1510331794279).

 Nesse ano de 1994, a Olan apostou no resgate do azul mais carregado, que marcou o uniforme do clube até o final dos anos 70. Em 1980, a Adidas trouxe um azul mais claro e "vivo" à malha Azul y Oro

Apesar das belas cores, a camisa ficou marcada de forma negativa: foi com ela que o time argentino sofreu a maior goleada em sua trajetória pela Libertadores de América: 6 a 1 para o Palmeiras, no Parque Antártica e pracabá, um dos 6 gols foi um raro gol do zagueirão Cléber. Martinez, fez o de honra.

Mas como o propósito é histórico, de modo mais abrangente (já que até mesmo os piores momentos de um clube devem ser lembrados com reserva) segue a camisa, justamente com a escalação dessa partida histórica.

Segue a cartela:







quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Novos uniformes da CRFM




Aproveitando a pausa forçada nas atividades da Liga, vamos criando mais alguns desenhos/colagens:
Esses são alguns dos jogadores de clubes sul-americanos que entrarão como avulsos na próxima temporada em seus respectivos clubes. Alguns destes times completos, serão disponibilizados em breve aqui no blogue.

domingo, 5 de novembro de 2017

Racing Club - Titular - 1992






Hoje aqui na Camisêra, é a vez do Racing Club. Nesta temporada, o time de Avellaneda terminou em 7º no Torneo Clausura e em 16º, no Torneo Apertura.
Decidiu a Supercopa Libertadores contra o Cruzeiro de Paulo roberto, Nonato, Boiadeiro e Renato Gaúcho. No jogo de ida em BH, levou um chocolate de 4 a 0 pro clube mineiro. Na volta, em Avellaneda, o Racing Club venceu por apenas 1 a 0, gol de Cláudio Garcia, resultado insuficiente para tirar o caneco da Raposa.[1]
O kit segue a escalação da primeira partida da final da Supercopa Libertadores:

1- Carlos Roa; 4- Jorge Federico Reinoso, 2- Jorge Borelli, 18- Cosme Zaccanti, 3- Juan José Distéfano
5- Gustavo Costas, 8- Gustavo Matosas, 19- Guillermo Guendulain;
10- Rubén Paz, 11- Alfredo Graciani, 07- Cláudio García. [2]


Racing 1992


Referências:
[1] https://pt.wikipedia.org/wiki/Supercopa_Libertadores_1992
[2] https://fichadojogo.wordpress.com/1992/11/18/18111992-cruzeiro-4-x-0-racing/

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Sport Recife - 1988 - Titular


Baseado em duas camisas dum colecionador chamado Luís Eduardo[1]. O vermelho do escudo, mais frio, em relação ao vermelho mais vivo da camisa, acaba parecendo discrepante, mais assim está na camisa. Também optei pelo escudo antigo do clube, tudo em nome da fidelidade.
Segue também uma prévia da terceira camisa do Leão pernambucano, que talvez seja disponibilizada aqui, num futuro próximo:


Avulso: camisa 10 - 1999 - terceiro uniforme


Kit completo: Sport Recife - 1988 - Titular
https://ibb.co/bzmacb



Referências

http://camisasdosport.blogspot.com.br [1]

sábado, 21 de outubro de 2017

Vasco 2000






Eis aqui, um dos poucos equipamentos do final dos anos 90, começo dos anos 2000, que me encantam: Vasco da Gama, ano 2000. Com esse material fornecido pela italiana Kappa, o Gigante da Colina amargou dois vices, no Mundial FIFA, diante do Corinthians e no Estadual do RJ, diante do arquirrival Flamengo. Mas seria naquela temporada que o Vasco ergueria o caneco da confusa e polêmica Copa João Havelange. A grande final contra a sensação São Caetano, no dia 30 de dezembro daquele ano, foi marcada pelo acidente ocasionado pela queda de parte da grade de separação do Estádio São Januário, deixando 168 feridos. A partida foi suspensa e adiada para o dia 18 de janeiro,  no Maracanã. O Vasco bateu o fortíssimo Azulão por 3 a 1 e ficou com o título.[1]

Outra curiosidade disso tudo, ficou por conta da inesperada publicidade do SBT na camisa cruz-maltina (como se pode ver, o sabão em pó Ace é que era o patrocinador-master, na ocasião). O cartola Eurico Miranda, irritado com a Rede Globo, por sua cobertura do acidente na partida do dia 30 de dezembro, usou a marca da emissora rival pra provocar a emissora carioca. O próprio cartola se justificou ao SBT dizendo que aquilo seria uma homenagem do clube à quem não o caluniou. [2]

O Vasco da Gama não ganhou um mango por levar a marca.



Vasco da Gama - 2000 - titular em PNG - https://ibb.co/n1eqFm

Avulsos:

Juninho Pernambucano (camisa reserva) - https://ibb.co/bGvVFm
Romário (SBT) - https://ibb.co/deBsT6

Referências:

[1]https://pt.wikipedia.org/wiki/Copa_João_Havelange
[2]https://uolesportevetv.blogosfera.uol.com.br/2015/08/21/perola-do-bau-vasco-usou-logo-do-sbt-para-provocar-a-globo-em-2000/


sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Fluminense_1986






Aqui, segue disponível o equipamento reserva do Fluminense, de 1986, baseado numa camisa à venda na internet [1]. Apesar de não aparecer a marca nesta camisa reserva, o fornecedor é Penalty. Com esse patrocínio-master da Heartline [1][2], uma obscura empresa de no-breaks e estabilizadores pra computador, o Tricolor das Laranjeiras, disputou alguns jogos do Estadual do Rio de Janeiro, torneio no qual acabou em terceiro na classificação geral, atrás do vice Vasco da Gama e do campeão, Flamengo.

Fluminense 1986: reserva



Fluminense 1986: titular


Referências:
[1] http://rj.olx.com.br/rio-de-janeiro-e-regiao/esportes-e-ginastica/camisa-do-fluminense-1986-heartline-rarissima-398047879

[2]PLACAR, Google Books, Pág. 57. Disponível em <<https://books.google.com.br/books?id=JiRM5YUon-4C&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false>>. Acessado em 13 out. 2017.